Skip to content

Alentejo Radical seta Windsurf
Windsurf Print E-mail
Um pouco de surf , um pouco de vela. Esse é o windsurf, um desporto olímpico que pode ser praticado em qualquer lugar e que por essa facilidade vem atraindo um grande número de novos praticantes

Apesar do pouco tempo desde sua criação, aproximadamente 25 anos, o desporto tem grande aceitação por ser uma alternativa tanto para surfistas, que em dias de ondas fracas podem surfar, tanto para os velejadores, que em dias de ventos fracos podem praticar um desporto mais radical.

 Hoje em dia o desporto tem grande espaço na mídia, devido a sua beleza e plasticidade. Toda essa divulgação só facilita o crescimento da modalidade.
 As competições possuem várias modalidades de windsurf, desde as mais radicais, como o Freestyle e Wave, até as mais tradicionais como a Classe olímpica e Slalom.

pcampos_p2 A origem do windsurf está diretamente ligada ao casal Newman e Naomy Darby. A idéia de criar o primeiro modelo do que depois viria a ser chamado de windsurf foi desenvolvida por eles. A remadora Naomy foi a primeira pessoa a ser fotografada com uma prancha de windsurf.
 Porém não foi nessa época que o desporto se tornou popular. Devido aos altos custos para a fabricação das pranchas, foram suficientes para que o casal abandonasse a idéia.
 ramalho.jpgOs amigos Hoyle Schweitzer e Jim Drake, quatro anos mais tarde resolveram unir as características do surf com o velejo e possibilitar o surf em lagos ou em praias sem ondas. Os dois desenvolveram conceitos que são aplicados até hoje. Em 1968 eles patentearam este equipamento chamado de windsurf. A partir daí o desporto começou o seu desenvolvimento.
Em 1973 foi produzida a primeira prancha em série. Depois disso, o sucesso foi tão grande que em 1984 o desporto já estava participando dos Jogos Olímpicos.
Hoje em dia as competições são organizadas pela PWA Professional Windsurf Association, que determina todas as regulamentações do desporto.

pivel.jpgO conjunto dos materiais para a prática do windsurf é chamado de rig. A evolução do desporto nas últimas décadas proporcionou grandes mudanças nos tipos de materiais utilizados e o rendimento do equipamento cada vez é maior.
A qualidade dos equipamentos é fundamental. “Um bom equipamento além de propiciar ao atleta uma melhor eficiência no desporto, ainda evita lesões e outros problemas como a deterioração rápida do equipamento”, disse o instrutor e competidor, Leonardo Mulin Rebello.
A vela funciona como um motor. É ela que tem a função de captar o vento e mover a prancha. Para a proteção da vela o rig conta com uma retranca. É ela quem mantém o formato da vela e dá a direção para a prancha. O mastro também tem a função de manter o formato da vela. E a extensão que é utilizada para estender o mastro para a medida certa.